quinta-feira, 30 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Agrupamento de Escolas Marquesa de Alorna - Lisboa (13)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 Pedro Eanes Lobato - Amora (9)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma segunda ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Gago Coutinho - Alverca (+8)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Colégio de Santa Doroteia - Lisboa (7)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Colégio do Sagrado Coração de Maria - Lisboa (8)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Santo André - Barreiro (11)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas subscrita por docentes de História das seguintes Escolas:

Agrupamento de Escolas de Pedrógão (1)
Agrupamento de Escolas e Miranda do Corvo (1)
Agrupamento de Escolas da XXXXXX (1)
Agrupamento de Escolas de Mortágua (2)
Agrupamento de Escolas da XXXXXX (1)
Escola Secundária de Pombal (1)
FLUC (1)
Agrupamento de Escolas de Montemor (1)
Escola Secundária de Viriato - Viseu (1)
EB 2,3/S Miguel Leitão Andrada - Pedrógão Grande (3)


O Nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Externato Crisfal (1)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 de Santo António (8)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB, 2,3 Luís António Verney (3)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

St. Peter's Scholl (3)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Camilo Castelo Branco - (10)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas das seguinte escolas:

EB 2, 3 Rio Arade - Lagoa - Algarve (3)
EB 2,3 João Cónim -. Lagoa - Algarve (5)


O nosso Obrigado!

quarta-feira, 29 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 Carlos Ribeiro - Pinhal de Frades- Seixal (16)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Básica 2º e 3º Ciclos de S. Bernardo - Aveiro (12)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Padre Francisco Soares - Torres Vedras (6)


O nosso Obrigado!

terça-feira, 28 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária André Gouveia - Évora (9)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 Maria Manuela Sá - São Mamede de Infesta (9)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Agrupamento de Escolas de Eixo - Aveiro (6)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 Infante D. Pedro - Figueira da Foz (5)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 Infante D. Pedro - Figueira da Foz (5)

O nosso Obrigado!

segunda-feira, 27 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola EB 2,3 Bento Carqueja - Oliveira de Azeméis (13)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Básica 2, 3 de Aranguêz - Setúbal (9)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Básica e Secundária de Pinheiro - Penafiel (11)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Stuart de Carvalhais - Sintra (13)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 Pintor Mário Augusto - Figueira da Foz (7)

O nosso Obrigado!

sexta-feira, 24 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Básica e Secundária da Calheta - Madeira (9)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Afonso Lopes Vieira - Leiria (10)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola dos 2º e 3º ciclos do Viso - Viseu (7)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Maria Amália Vaz de Carvalho - Lisboa (15)

O nosso Obrigado!

quinta-feira, 23 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 Fernando Távora - Fermentões - Guimarães (10)

O nosso Obrigado!

quarta-feira, 22 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Básica 2,3 de Taveiro - Coimbra (8)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Profissional de Arqueologia - Freixo, Marco de Canaveses (3)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos duas fichas de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Dr. M. Gomes de Almeida - Espinho (15)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Tomás Pelayo - Santo Tirso (6)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 com Secundário de Santo António - Barreiro (8)

O nosso Obrigado!

terça-feira, 21 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 Soeiro Pereira Gomes - Vila Franca de Xira (12)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Garcia de Orta - Porto (9)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EBI Faria de Vasconcelos - Castelo Branco (6)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Agrupamento de Escolas Silva Gaio - Coimbra (5)


O nosso Obrigado!

A divulgação da Petição Pública Nacional

Car@s colegas
1. Neste maior dia do ano (solstício do Verão), a Petição Pública Nacional ultrapassou as 1000 subscrições, segundo a informação do incansável António Fernando Silva. Este é um dos números de referência habituais, mas tem também um significado efectivo: com 1000 peticionantes, o texto da Petição Pública é obrigatoriamente publicado no “Diário da República”. No entanto, precisamos de muitas mais subscrições.
2. Para subscrever a Petição Pública, é preciso imprimir a ficha se assinaturas, recolher as mesmas e devolver a folha assinada por fax, email (digitalizada) ou correio.
Temos de ser cada um de nós a fazê-lo. Se me é permitido o exemplo pessoal, no Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa, peguei na ficha de recolha de assinaturas, dirigi-me aos meus colegas e assim recolhi muitas assinaturas.
3. Renovo o pedido de que reenviem o email de divulgação da Petição Pública a outros colegas de Geografia e de História que conheçam. É esta uma grande forma de divulgação. Vou enviar de novo este email de divulgação, com um texto um pouco menor – e peço desculpa a todos os que já receberam e reenviaram o anterior email.
Nas últimas semanas, chegaram a muitas escolas também faxes. Mas a nossa capacidade de divulgação é sempre inferior àquele que muitos professores juntos conseguem.
4. Podem existir discordâncias em relação à Petição Pública. Mas como é possível aceitar-se que um professor de Geografia ou de História fique habilitado a ensinar do 7º ao 12º ano apenas com um ano ou menos de formação científica específica?
Para se ser professor de Matemática, de Educação Física ou de Filosofia, é exigida uma preparação mais demorada. Porquê exigir-se agora menos na formação dos professores de Geografia e de História?
Por outro lado, a unificação das duas disciplinas na formação inicial dos professores não faz adivinhar nada de bom quanto ao futuro da Geografia e da História.
5. Apelo aos professores com formação em Sistemas de Informação Geográfico que colaborem na construção de um mapa nacional com as escolas que já aderiram à Perição Pública.
6. Quando vos escrevo, a Petição Pública já tem 630 amigos no Facebook. Convidamo-vos a fazerem igualmente um pedido de “amizade”. Cumprimentos.
Sérgio Claudino

A PETIÇÃO EM MARCHA…

PETIÇÃO EM MARCHA…
Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária D. Pedro V - Lisboa (10)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas (16)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Agrupamento de Escolas de Algoz (4)

O nosso Obrigado!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 Dr. João Rocha Pai - Vagos (7)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

ES/3 João Silva Correia - São João da Madeira (3)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Estarreja (10)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Cantanhede (5)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Colégio Paulo VI - Gondomar (5)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2, 3 André Soares - Braga (9)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Dr. José Afonso - Setúbal (12)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Anselmo de Andrade - Almada (10)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 do Prado - Vila Verde (12)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Oliveira do Douro (11)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Filipa de Vilhena (8)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Gago Coutinho - Alverca (6)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Eça de Queirós - Póvoa do Varzim (6)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Eng. Acácio Calazans Duarte - Marinha Grande(9)

O nosso Obrigado!

domingo, 19 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Antero de Quental - Ponta Delgada (9)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Colégio dos Plátanos (1)

O nosso Obrigado!

MAPA DA PETIÇÃO PÚBLICA NACIONAL

Car@s colegas

Neste momento, ultrapassámos as 100 escolas/instituições que subscreveram a Petição Pública Nacional.
Pretendemos construir um mapa nacional com a localização das mesmas, de forma a vizualizarmos a difusão da Petição pelo país.
Apelamos aos professores ou aos estudantes que dominem a cartografia automática (supomos que de Geografia/SIG) que se disponibilizem a construir este mapa da Petição Pública Nacional!
Podem-nos contactar através do email form.qualidade.historia.geografia@gmail.com ou sergio@campus.ul.pt.
Cumprimentos.
Sérgio Claudino

sábado, 18 de junho de 2011

sexta-feira, 17 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 /S Abel Botelho - Tabuaço (6)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 de Arco de Baúlhe - Cabeceiras de Basto (1)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Básica e Secundária de Refojos de Basto - Cabeceiras de Basto (6)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Agrupamento de Escolas de Cabeceiras de Basto (11)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Básica e Secundária de Oliveira de Frades (8)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Jaime Cortesão (5)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

PETIÇÃO EM MARCHA…
Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Padre Alberto Neto (7)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EBI de Miraflores - Lisboa (2)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Camões - Lisboa (10)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Passos Manuel - Lisboa (6)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

ES/3 de Adolfo Portela - Águeda (9)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte instituição:

Agência Superior de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (1)

O nosso Obrigado!

quinta-feira, 16 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte instituição:

Universidade do Minho (6)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte instituição:

Universidade de Coimbra (8)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2, 3 de Castanheira de Pêra (3)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Miraflores (7)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Marco de Canavezes (9)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EBI Cidade de Castelo Branco (8)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Nuno Álvares - Castelo Branco (8)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária do Forte da Casa - Vila Franca de Xira (13)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2, 3 de Viatodos - Barcelos (8)


O nosso Obrigado!

O Texto Integral da Petição

Exmº Senhor
Presidente da Assembleia da República
Os professores de Geografia e História subscritores desta Petição Pública Nacional solicitam à Assembleia da República a revogação do nº 11 do Anexo do Decreto-Lei nº 43/2007, de 22 de fevereiro, que aprova o Regime Jurídico para a Docência na Educação Pré-Escolar e nos Ensinos Básico e Secundário, onde se determina que o grau de mestre em Ensino de História e de Geografia constitui habilitação profissional para a docência das disciplinas de História (Grupo de Recrutamento 400) e de Geografia (Grupo de Recrutamento 420). Em sua substituição, pedem que a habilitação profissional para a disciplina de História passe a ser concedida pelo grau de mestre em Ensino de História e que a habilitação profissional para a disciplina de Geografia seja concedida pelo grau de mestre em Ensino de Geografia.
Na discussão pública do Regime Jurídico, a unificação da formação inicial dos professores de Geografia e de História foi fortemente contestada por professores e instituições sócio-profissionais e académicas representativas. Até então, a formação inicial destes docentes para o 3º ciclo do ensino básico e para o ensino secundário era efetuada nas universidades através de um percurso de formação de 5 anos (seguindo o modelo da licenciatura em ensino) ou de 6 anos (licenciatura de 4 anos e ramo de formação educacional de 2 anos), em Geografia ou em História. Nestes percursos, cerca de dois anos eram de formação em Ciências da Educação e Didática, pelo que a formação científica específica, em Geografia ou em História, era aproximadamente de 3 ou 4 anos, conforme se tratasse do primeiro ou do segundo modelo.
Com o Processo de Bolonha, passou a ser exigido o nível de Mestrado para a habilitação profissional para a docência, o que é justificado pelo “esforço de elevação do nível de qualificação do corpo docente com vista a reforçar a qualidade da sua preparação e a valorização do respetivo estatuto sócio-profissional.”[1].
O regime jurídico aprovado em 2007 determina a unificação da formação inicial dos professores das disciplinas de Geografia e de História, no Mestrado em Ensino de História e de Geografia. Ao mesmo Mestrado podem aceder todos os licenciados com um mínimo de 120 créditos no conjunto das duas áreas disciplinares e nenhuma com menos de 50 créditos (Referência 11 do Anexo).
Um semestre totaliza 30 unidades de crédito e uma unidade curricular semestral mobiliza, habitualmente, 6 créditos. Assim, pode ingressar no Mestrado em Ensino de História e de Geografia, que habilita para a docência, em simultâneo, de ambas as disciplinas, qualquer licenciado que possua apenas 2 anos de formação universitária em Geografia e em História (120 créditos), podendo ter numa das áreas uma formação inferior a um ano (50 créditos). Na melhor das situações, os diplomados que ingressem neste Mestrado com os cursos de licenciatura entretanto criados para o efeito, terão cerca de 2 anos de formação numa das áreas (major) e um ano de formação na segunda área disciplinar (minor). Esta formação científica específica será complementada no próprio Mestrado com uma ou, no máximo, duas unidades curriculares semestrais (Formação na Área da Docência).
Não está em causa o esforço e empenho dos alunos e professores que, nas universidades, presentemente participam no modelo de formação inicial imposto em 2007 (alguns dos quais promovem esta Petição Pública). Mas será possível ser-se bom professor de Geografia ou bom professor de História, ficar-se habilitado a lecionar qualquer uma das duas disciplinas, do 7º ao 12º ano, com uma formação académica disciplinar de apenas 1 ou 2 anos? Seguramente que não!
Não se pode ensinar bem em áreas de que se tem uma formação escassa. O presente modelo de formação inicial é atentatório da dignidade das disciplinas de Geografia e de História e do próprio ensino, mais em geral. Em Portugal, a desvalorização dos professores e da própria educação está, invariavelmente, associada a uma “simplificação” da formação inicial. Infelizmente, no Decreto-Lei nº 43/2007 não é apresentada qualquer justificação para a unificação da formação inicial dos docentes de Geografia e História, nem se conhecem quaisquer explicações públicas dos responsáveis por esta decisão. Sublinhe-se, ainda, o desfasamento entre este modelo de formação e o funcionamento do sistema escolar: os grupos de recrutamento de docentes são autónomos e lecionam disciplinas diferentes.
Na Petição/Manifesto “História, democracia e desenvolvimento”, da iniciativa da Direção da Associação dos Professores de História e de outras entidades, entregue na Assembleia da República em 14 de março de 2011, e no Parecer “Alterações Curriculares – 3º Ciclo”, da Associação de Professores de Geografia, datado de 10 de julho de 2010, as duas Associações manifestaram a sua preocupação com o atual modelo de formação inicial dos professores de História e de Geografia, fazendo referências explícitas ao Decreto-Lei nº 43/2007.
Com a presente Petição, os professores de Geografia e de História pretendem retomar a autonomia da formação inicial, indispensável para garantir a qualidade da formação inicial dos grupos de docência a que pertencem. Naturalmente, deverão ser salvaguardados os direitos dos docentes recém-habilitados ou que se venham a profissionalizar com o Mestrado em Ensino de História e de Geografia e que poderão optar por lecionar uma ou outra área disciplinar.
Os professores portugueses de Geografia e de História, diplomados numa destas áreas e docentes em qualquer grau de ensino, unem-se nesta Petição Pública Nacional, que testemunha tanto a sua oposição a medidas avulsas e atentatórias da qualidade da formação e dignidade profissionais como o seu empenho na construção de uma educação de qualidade.
Confiamos na melhor atenção e no devido acolhimento do Sr. Presidente da Assembleia da República e dos senhores deputados a esta Petição Pública Nacional.

Sérgio Claudino, IGOT, Universidade de Lisboa (Geografia);
Maria Leonor Carvalho, AE de Frei Estevão Martins/Alcobaça (História);
António Fernando Silva, AE da Quinta do Conde (Geografia);
Miguel Barros, Escola Secundária c/ 2ª e 3º ciclos de Passos Manuel/Lisboa (História);
Emília Sande Lemos, presidente da Associação de Professores de Geografia
Raquel Pereira Henriques, presidente da Associação de Professores de História
Margarida Pereira, presidente da Associação Portuguesa de Geógrafos

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Agrupamento de Escolas de Oliveira de Frades (8)

O nosso Obrigado!

quarta-feira, 15 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Lousada (16)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas de Professores:

Escola Secundária Domingos Rebelo - São Miguel - Açores (8)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Básica e Secundária de Vila Franco Campo - São Miguel - Açores (9)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas de Professores:

Professores de História e Geografia de São Miguel - Açores (16)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Monserrate - Viana do Castelo (9)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Básica Grão Vasco - Viseu (10)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola D. Paio Peres Correia - Tavira (5)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Agrupamento de Escolas de Vila Nova de Cacela / EB 2,3 Infante D. Fernando - Vila Real de Santo António (5)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 de Santa Iria de Azóia (9)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Quinta da Palmeira - Covilhã (9)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Serpa (2)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 /S Ribeiro Sanches - Penamacor (6)

O nosso Obrigado!

SESSÃO DE DIVULGAÇÃO DA PETIÇÃO PÚBLICA NACIONAL, ESCOLA CAMÕES, 16 DE JUNHO, 17H

Na próxima 5ª feira, dia 16 de junho, às 17 horas, na Escola Secundária de Camões, em Lisboa, junto ao Saldanha, realiza-se uma sessão de divulgação da Petição Pública Nacional dos professores de Geografia e de História.
Recorda-se que o actual modelo de formação inicial de professores integra a formação de professores de História e de Geografia. Por outro lado, para aceder ao Mestrado em Ensino da História da Geografia, basta uma formação académica de um ano, tanto em História como em Geografia, o que significa uma diminuição brutal da qualidade da formação científica específica (antes eram necessários 3 ou 4 anos de formação para cada disciplina).
É contra esta situação que está a decorrer a Petição Pública Nacional, cujos documentos (texto da Petição, ficha de recolha de subscrições) estão disponíveis neste blogue.
Cumprimentos Sérgio Claudino

terça-feira, 14 de junho de 2011

Download dos PDF da Petição, folheto de divulgação e ficha de assinaturas

O Texto Integral da Petição

Exmº Senhor
Presidente da Assembleia da República
Os professores de Geografia e História subscritores desta Petição Pública Nacional solicitam à Assembleia da República a revogação do nº 11 do Anexo do Decreto-Lei nº 43/2007, de 22 de fevereiro, que aprova o Regime Jurídico para a Docência na Educação Pré-Escolar e nos Ensinos Básico e Secundário, onde se determina que o grau de mestre em Ensino de História e de Geografia constitui habilitação profissional para a docência das disciplinas de História (Grupo de Recrutamento 400) e de Geografia (Grupo de Recrutamento 420). Em sua substituição, pedem que a habilitação profissional para a disciplina de História passe a ser concedida pelo grau de mestre em Ensino de História e que a habilitação profissional para a disciplina de Geografia seja concedida pelo grau de mestre em Ensino de Geografia.
Na discussão pública do Regime Jurídico, a unificação da formação inicial dos professores de Geografia e de História foi fortemente contestada por professores e instituições sócio-profissionais e académicas representativas. Até então, a formação inicial destes docentes para o 3º ciclo do ensino básico e para o ensino secundário era efetuada nas universidades através de um percurso de formação de 5 anos (seguindo o modelo da licenciatura em ensino) ou de 6 anos (licenciatura de 4 anos e ramo de formação educacional de 2 anos), em Geografia ou em História. Nestes percursos, cerca de dois anos eram de formação em Ciências da Educação e Didática, pelo que a formação científica específica, em Geografia ou em História, era aproximadamente de 3 ou 4 anos, conforme se tratasse do primeiro ou do segundo modelo.
Com o Processo de Bolonha, passou a ser exigido o nível de Mestrado para a habilitação profissional para a docência, o que é justificado pelo “esforço de elevação do nível de qualificação do corpo docente com vista a reforçar a qualidade da sua preparação e a valorização do respetivo estatuto sócio-profissional.”[1].
O regime jurídico aprovado em 2007 determina a unificação da formação inicial dos professores das disciplinas de Geografia e de História, no Mestrado em Ensino de História e de Geografia. Ao mesmo Mestrado podem aceder todos os licenciados com um mínimo de 120 créditos no conjunto das duas áreas disciplinares e nenhuma com menos de 50 créditos (Referência 11 do Anexo).
Um semestre totaliza 30 unidades de crédito e uma unidade curricular semestral mobiliza, habitualmente, 6 créditos. Assim, pode ingressar no Mestrado em Ensino de História e de Geografia, que habilita para a docência, em simultâneo, de ambas as disciplinas, qualquer licenciado que possua apenas 2 anos de formação universitária em Geografia e em História (120 créditos), podendo ter numa das áreas uma formação inferior a um ano (50 créditos). Na melhor das situações, os diplomados que ingressem neste Mestrado com os cursos de licenciatura entretanto criados para o efeito, terão cerca de 2 anos de formação numa das áreas (major) e um ano de formação na segunda área disciplinar (minor). Esta formação científica específica será complementada no próprio Mestrado com uma ou, no máximo, duas unidades curriculares semestrais (Formação na Área da Docência).
Não está em causa o esforço e empenho dos alunos e professores que, nas universidades, presentemente participam no modelo de formação inicial imposto em 2007 (alguns dos quais promovem esta Petição Pública). Mas será possível ser-se bom professor de Geografia ou bom professor de História, ficar-se habilitado a lecionar qualquer uma das duas disciplinas, do 7º ao 12º ano, com uma formação académica disciplinar de apenas 1 ou 2 anos? Seguramente que não!
Não se pode ensinar bem em áreas de que se tem uma formação escassa. O presente modelo de formação inicial é atentatório da dignidade das disciplinas de Geografia e de História e do próprio ensino, mais em geral. Em Portugal, a desvalorização dos professores e da própria educação está, invariavelmente, associada a uma “simplificação” da formação inicial. Infelizmente, no Decreto-Lei nº 43/2007 não é apresentada qualquer justificação para a unificação da formação inicial dos docentes de Geografia e História, nem se conhecem quaisquer explicações públicas dos responsáveis por esta decisão. Sublinhe-se, ainda, o desfasamento entre este modelo de formação e o funcionamento do sistema escolar: os grupos de recrutamento de docentes são autónomos e lecionam disciplinas diferentes.
Na Petição/Manifesto “História, democracia e desenvolvimento”, da iniciativa da Direção da Associação dos Professores de História e de outras entidades, entregue na Assembleia da República em 14 de março de 2011, e no Parecer “Alterações Curriculares – 3º Ciclo”, da Associação de Professores de Geografia, datado de 10 de julho de 2010, as duas Associações manifestaram a sua preocupação com o atual modelo de formação inicial dos professores de História e de Geografia, fazendo referências explícitas ao Decreto-Lei nº 43/2007.
Com a presente Petição, os professores de Geografia e de História pretendem retomar a autonomia da formação inicial, indispensável para garantir a qualidade da formação inicial dos grupos de docência a que pertencem. Naturalmente, deverão ser salvaguardados os direitos dos docentes recém-habilitados ou que se venham a profissionalizar com o Mestrado em Ensino de História e de Geografia e que poderão optar por lecionar uma ou outra área disciplinar.
Os professores portugueses de Geografia e de História, diplomados numa destas áreas e docentes em qualquer grau de ensino, unem-se nesta Petição Pública Nacional, que testemunha tanto a sua oposição a medidas avulsas e atentatórias da qualidade da formação e dignidade profissionais como o seu empenho na construção de uma educação de qualidade.
Confiamos na melhor atenção e no devido acolhimento do Sr. Presidente da Assembleia da República e dos senhores deputados a esta Petição Pública Nacional.

Sérgio Claudino, IGOT, Universidade de Lisboa (Geografia);
Maria Leonor Carvalho, AE de Frei Estevão Martins/Alcobaça (História);
António Fernando Silva, AE da Quinta do Conde (Geografia);
Miguel Barros, Escola Secundária c/ 2ª e 3º ciclos de Passos Manuel/Lisboa (História);
Emília Sande Lemos, presidente da Associação de Professores de Geografia
Raquel Pereira Henriques, presidente da Associação de Professores de História
Margarida Pereira, presidente da Associação Portuguesa de Geógrafos

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Agrupamento de Escolas Gil Vicente (13)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Alberto Sampaio (10)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Clara de Resende (13)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Agrupamento de Escolas de Avis (4)

O nosso Obrigado!

domingo, 12 de junho de 2011

sábado, 11 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas das seguinte escolas:

EBI de Fragoso (4) e EBI da Apúlia (1)

O nosso Obrigado!

A dupla formação de professores e o economicismo na Educação

A Ana Rolão comentou na página do Facebook “Autonomia História Geografia – Petição Pública” a formação dupla de professores de Geografia e de História, em 7 de Junho. Vale a pena ler o que diz da sua experiência.
Termina dizendo que não se pode adoptar apenas um critério económico.
Se dois professores partilharem entre si turmas de História e de Geografia, o custo para a entidade patronal (Estado ou privado) é rigorosamente o mesmo de uma situação em que um dos professores assegure a disciplina de História e o outro a disciplina de Geografia. A qualidade do ensino fica a perder, quando os dois professores têm uma formação mista, em relação àquela em que cada um se especializou na área que lecciona.
Em que circunstância pode existir uma perspectiva economicista no actual modelo de formação de professores? Do meu ponto de vista, apenas numa situação: acabar-se com as disciplinas de História e de Geografia e integrá-las numa única disciplina. Nessa situação, não são precisos dois professores, mas apenas um.
Dá que pensar!
Sérgio Claudino

quinta-feira, 9 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Fonseca Benevides (5)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos fichas de assinaturas da seguinte escola:

Escola Básica e Secundária Fernão Pó (13)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos fichas de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária D. Dinis - Santo Tirso (12)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos fichas de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Camilo Castelo Branco - Vila Real (19)

O nosso Obrigado!

SESSÃO PÚBLICA DE DIVULGAÇÃO E DEBATE DA PETIÇÃO PÚBLICA NACIONAL

Dia 16 de Junho, 5ª feira, às 17 horas, na Escola Secundária de Camões (Praça José Fontana, ao Saldanha). Compareça!

quarta-feira, 8 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos fichas de assinaturas da seguinte escola:

ES Rainha D. Leonor (13)


O nosso Obrigado!

O Texto Integral da Petição

Exmº Senhor
Presidente da Assembleia da República
Os professores de Geografia e História subscritores desta Petição Pública Nacional solicitam à Assembleia da República a revogação do nº 11 do Anexo do Decreto-Lei nº 43/2007, de 22 de fevereiro, que aprova o Regime Jurídico para a Docência na Educação Pré-Escolar e nos Ensinos Básico e Secundário, onde se determina que o grau de mestre em Ensino de História e de Geografia constitui habilitação profissional para a docência das disciplinas de História (Grupo de Recrutamento 400) e de Geografia (Grupo de Recrutamento 420). Em sua substituição, pedem que a habilitação profissional para a disciplina de História passe a ser concedida pelo grau de mestre em Ensino de História e que a habilitação profissional para a disciplina de Geografia seja concedida pelo grau de mestre em Ensino de Geografia.
Na discussão pública do Regime Jurídico, a unificação da formação inicial dos professores de Geografia e de História foi fortemente contestada por professores e instituições sócio-profissionais e académicas representativas. Até então, a formação inicial destes docentes para o 3º ciclo do ensino básico e para o ensino secundário era efetuada nas universidades através de um percurso de formação de 5 anos (seguindo o modelo da licenciatura em ensino) ou de 6 anos (licenciatura de 4 anos e ramo de formação educacional de 2 anos), em Geografia ou em História. Nestes percursos, cerca de dois anos eram de formação em Ciências da Educação e Didática, pelo que a formação científica específica, em Geografia ou em História, era aproximadamente de 3 ou 4 anos, conforme se tratasse do primeiro ou do segundo modelo.
Com o Processo de Bolonha, passou a ser exigido o nível de Mestrado para a habilitação profissional para a docência, o que é justificado pelo “esforço de elevação do nível de qualificação do corpo docente com vista a reforçar a qualidade da sua preparação e a valorização do respetivo estatuto sócio-profissional.”[1].
O regime jurídico aprovado em 2007 determina a unificação da formação inicial dos professores das disciplinas de Geografia e de História, no Mestrado em Ensino de História e de Geografia. Ao mesmo Mestrado podem aceder todos os licenciados com um mínimo de 120 créditos no conjunto das duas áreas disciplinares e nenhuma com menos de 50 créditos (Referência 11 do Anexo).
Um semestre totaliza 30 unidades de crédito e uma unidade curricular semestral mobiliza, habitualmente, 6 créditos. Assim, pode ingressar no Mestrado em Ensino de História e de Geografia, que habilita para a docência, em simultâneo, de ambas as disciplinas, qualquer licenciado que possua apenas 2 anos de formação universitária em Geografia e em História (120 créditos), podendo ter numa das áreas uma formação inferior a um ano (50 créditos). Na melhor das situações, os diplomados que ingressem neste Mestrado com os cursos de licenciatura entretanto criados para o efeito, terão cerca de 2 anos de formação numa das áreas (major) e um ano de formação na segunda área disciplinar (minor). Esta formação científica específica será complementada no próprio Mestrado com uma ou, no máximo, duas unidades curriculares semestrais (Formação na Área da Docência).
Não está em causa o esforço e empenho dos alunos e professores que, nas universidades, presentemente participam no modelo de formação inicial imposto em 2007 (alguns dos quais promovem esta Petição Pública). Mas será possível ser-se bom professor de Geografia ou bom professor de História, ficar-se habilitado a lecionar qualquer uma das duas disciplinas, do 7º ao 12º ano, com uma formação académica disciplinar de apenas 1 ou 2 anos? Seguramente que não!
Não se pode ensinar bem em áreas de que se tem uma formação escassa. O presente modelo de formação inicial é atentatório da dignidade das disciplinas de Geografia e de História e do próprio ensino, mais em geral. Em Portugal, a desvalorização dos professores e da própria educação está, invariavelmente, associada a uma “simplificação” da formação inicial. Infelizmente, no Decreto-Lei nº 43/2007 não é apresentada qualquer justificação para a unificação da formação inicial dos docentes de Geografia e História, nem se conhecem quaisquer explicações públicas dos responsáveis por esta decisão. Sublinhe-se, ainda, o desfasamento entre este modelo de formação e o funcionamento do sistema escolar: os grupos de recrutamento de docentes são autónomos e lecionam disciplinas diferentes.
Na Petição/Manifesto “História, democracia e desenvolvimento”, da iniciativa da Direção da Associação dos Professores de História e de outras entidades, entregue na Assembleia da República em 14 de março de 2011, e no Parecer “Alterações Curriculares – 3º Ciclo”, da Associação de Professores de Geografia, datado de 10 de julho de 2010, as duas Associações manifestaram a sua preocupação com o atual modelo de formação inicial dos professores de História e de Geografia, fazendo referências explícitas ao Decreto-Lei nº 43/2007.
Com a presente Petição, os professores de Geografia e de História pretendem retomar a autonomia da formação inicial, indispensável para garantir a qualidade da formação inicial dos grupos de docência a que pertencem. Naturalmente, deverão ser salvaguardados os direitos dos docentes recém-habilitados ou que se venham a profissionalizar com o Mestrado em Ensino de História e de Geografia e que poderão optar por lecionar uma ou outra área disciplinar.
Os professores portugueses de Geografia e de História, diplomados numa destas áreas e docentes em qualquer grau de ensino, unem-se nesta Petição Pública Nacional, que testemunha tanto a sua oposição a medidas avulsas e atentatórias da qualidade da formação e dignidade profissionais como o seu empenho na construção de uma educação de qualidade.
Confiamos na melhor atenção e no devido acolhimento do Sr. Presidente da Assembleia da República e dos senhores deputados a esta Petição Pública Nacional.

Sérgio Claudino, IGOT, Universidade de Lisboa (Geografia);
Maria Leonor Carvalho, AE de Frei Estevão Martins/Alcobaça (História);
António Fernando Silva, AE da Quinta do Conde (Geografia);
Miguel Barros, Escola Secundária c/ 2ª e 3º ciclos de Passos Manuel/Lisboa (História);
Emília Sande Lemos, presidente da Associação de Professores de Geografia
Raquel Pereira Henriques, presidente da Associação de Professores de História
Margarida Pereira, presidente da Associação Portuguesa de Geógrafos

terça-feira, 7 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos duas fichas de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária do Pinhal Novo (16)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária da Quinta do Marquês (9)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 de S. Romão do Coronado (8)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Portuguesa de Dili (4)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO PÚBLICA NACIONAL NO GEOFORO

O GEOFORO - Foro Iberoamericano de Geografia, Educação e Sociedade, apoiado pela GEOCRÍTICA/Universidade de Barcelona, noticia a Petição Pública Nacional dos Professores de Geografia e de História portugueses.
Aceder através do GEOFORO http://geoforonoticias.blogspot.com/ e, depois, procurar em “Notícias”.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Mouzinho da Silveira (5)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Dr. Francisco Fernandes Lopes-Olhão (9)

O nosso Obrigado!

Nº DE BILHETE DE IDENTIDADE OU CARTÃO DO CIDADÃO

Alguns subscritores não indicam o nº de Bilhete de Identidade ou de Cartão do Cidadão.
Segundo a legislação que regula as Petições Públicas este número é obrigatório. Não podemos considerar peticionante quem não o indica. Por favor, tenham em atenção este aspecto.
Obrigado.
Sérgio Claudino

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EBI Montargil (4)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Esc. Sec. Daniel Sampaio (9)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Esc. Sec. da Lousã (11)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2, 3 do Sabugal (8)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2, 3 dos Castanheiros (3)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Liceu Francês Charles LePierre (1)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária do Cartaxo (7)

O nosso Obrigado!

sábado, 4 de junho de 2011

A PETIÇÃO PÚBLICA NACIONAL E AS ELEIÇÕES LEGISLATIVAS

0.Uma nota “histórica”. Em 2009, surgiu a ideia de se avançar com esta Petição. Como ia haver eleições legislativas, surgiu o conselho de fazê-lo mais tarde, para não misturar eleições e petições. Aceitei a sugestão, um pouco contrafeito. Entretanto, tive licença sabática, a ideia foi sendo adiada. Agora, caiu em cheio em cima de umas eleições legislativas inesperadas. Paciência, não se vai adiar de novo!
1. O grupo que a promove a Petição avançou antes da data das eleições, para significar que a Petição Pública é uma iniciativa independente dos resultados eleitorais.
Os promotores da Petição já pediram uma audiência aos principais partidos representados na Assembleia da República, a fim se sublinhar essa independência do poder político. Um dos partidos respondeu afirmativamente no próprio dia.
2. Há uma similitude entre as eleições e a Petição. Nas ELEIÇÕES, OS PARTIDOS PRECISAM DE VOTOS. NESTA PETIÇÃO, PRECISAMOS DE SUBSCRITORES.
Quem o desejar e for professor, pode enviar-nos para o email o nome, o nº Bilhete de Identidade/Cartão do Cidadão e a Formação (História/Geografia), que nós inscrevemo-lo como subscritor. Recordo que a Petição Pública não exige assinatura.
Bom domingo eleitoral.

Sérgio Claudino

Solidariedade Ibero-Americana

No âmbito do GEOFORO – Foro Iberoamericano sobre educación, geografía y sociedad, manifestaram a sua solidariedade para com a Petição Pública Nacional os seguintes colegas:
. Francisco Garcia, Universidade de Sevilha-Espanha
. Andrea Lastoria, Uversidade de São Paulo/Ribeirão Preto-Brasil
. Fabian Araya, Universidade de la Serena-Chile
. Xosé Manuel Souto González, professor catedrático de Geografia e História do ensino secundário e professor da Universidade de Valência-Espanha
Uma solidariedade ibero-americana!

Sérgio Claudino

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Bocage (13)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária Prof. Ruy Luís Gomes (8)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos fichas de assinaturas da seguinte escola:

Escola Secundária de Caneças (20)

O nosso Obrigado!

sexta-feira, 3 de junho de 2011

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte escola:

Agrupamento de Escolas / EB 2, 3 Frei Estêvão Martins (11)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte escola:

Colégio Infante D. Henrique (3)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos mais uma ficha de assinaturas da seguinte escola:

EB 2,3 António Gedeão (+3)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte entidade:

Santa Casa da Misericórdia - Lisboa (1)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte entidade:

Academia Militar (1)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte entidade:

IGOT - Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (36)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte Escola:

EB 2,3 da Corga - Stª Maria da Feira (10)

O nosso Obrigado!

ALTERAÇÃO DA DATA DA SESSÃO PÚBLICA DE DIVULGAÇÃO DA PETIÇÃO PÚBLICA NACIONAL, EM LISBOA, PARA O DIA 16 DE JUNHO

Por conveniência do calendário escolar, a sessão de divulgação e debate da Petição Pública Nacional "Por uma formação autónoma dos professores de Geografia e História. Por uma formação inicial de qualidade" foi alterada para o dia 16 de Junho. Mantém-se a hora (17 horas) e o local (Escola Secundária de Camões/Lisboa). A sessão decorrerá na Sala de Geografia.
Apareça!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte Escola:

Escola Secundária de Alcanena (9)

O nosso Obrigado!

quinta-feira, 2 de junho de 2011

SESSÃO PÚBLICA DE DIVULGAÇÃO E DEBATE DA PETIÇÃO PÚBLICA NACIONAL DE GEOGRAFIA E HISTÓRIA

No próximo dia 15 de Junho, 6ª feira, às 17 horas, no auditório da Escola Secundária de Camões (Praça José Fontana, estação de metro do Saldanha), irá decorrer uma sessão pública de divulgação e debate da Petição Pública Nacional.
Compareça!

TESTEMUNHO E SOLIDARIEDADE A PARTIR DO CHILE

... El año pasado también en este pais (Chile) se intentó disminuir las horas de clases en historia y geografía. Afortunadamente la presión fue muy fuerte y se logró revertir la medida. Hay que estar atentos, pues la arremetida contra nuestra área de especialización es bastante extendida o "globalizada".
Un abrazo,
Fabián
Dr. Fabián Araya Palacios
Coordinador Programa de Didáctica
y Metodología de las Ciencias Sociales
Director Departamento de Ciencias Sociales
Universidad de La Serena

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte Escola:

EB 2,3 António Gedeão (4)


O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte Escola:

Agupamento de Escolas Michel Giacometti / Escola Básica 2,3 /S Michel Giacometti (5)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte Escola:

Escola Secundária Dr. António Granjo (7)

O nosso Obrigado!

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte Escola:

Agrupamento de Escolas da Caranguejeira / EB 2,3 Dr. Correia Alexandre (8)

O nosso Obrigado!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Download dos PDF da Petição, folheto de divulgação e ficha de assinaturas

O Texto Integral da Petição

Exmº Senhor
Presidente da Assembleia da República
Os professores de Geografia e História subscritores desta Petição Pública Nacional solicitam à Assembleia da República a revogação do nº 11 do Anexo do Decreto-Lei nº 43/2007, de 22 de fevereiro, que aprova o Regime Jurídico para a Docência na Educação Pré-Escolar e nos Ensinos Básico e Secundário, onde se determina que o grau de mestre em Ensino de História e de Geografia constitui habilitação profissional para a docência das disciplinas de História (Grupo de Recrutamento 400) e de Geografia (Grupo de Recrutamento 420). Em sua substituição, pedem que a habilitação profissional para a disciplina de História passe a ser concedida pelo grau de mestre em Ensino de História e que a habilitação profissional para a disciplina de Geografia seja concedida pelo grau de mestre em Ensino de Geografia.
Na discussão pública do Regime Jurídico, a unificação da formação inicial dos professores de Geografia e de História foi fortemente contestada por professores e instituições sócio-profissionais e académicas representativas. Até então, a formação inicial destes docentes para o 3º ciclo do ensino básico e para o ensino secundário era efetuada nas universidades através de um percurso de formação de 5 anos (seguindo o modelo da licenciatura em ensino) ou de 6 anos (licenciatura de 4 anos e ramo de formação educacional de 2 anos), em Geografia ou em História. Nestes percursos, cerca de dois anos eram de formação em Ciências da Educação e Didática, pelo que a formação científica específica, em Geografia ou em História, era aproximadamente de 3 ou 4 anos, conforme se tratasse do primeiro ou do segundo modelo.
Com o Processo de Bolonha, passou a ser exigido o nível de Mestrado para a habilitação profissional para a docência, o que é justificado pelo “esforço de elevação do nível de qualificação do corpo docente com vista a reforçar a qualidade da sua preparação e a valorização do respetivo estatuto sócio-profissional.”[1].
O regime jurídico aprovado em 2007 determina a unificação da formação inicial dos professores das disciplinas de Geografia e de História, no Mestrado em Ensino de História e de Geografia. Ao mesmo Mestrado podem aceder todos os licenciados com um mínimo de 120 créditos no conjunto das duas áreas disciplinares e nenhuma com menos de 50 créditos (Referência 11 do Anexo).
Um semestre totaliza 30 unidades de crédito e uma unidade curricular semestral mobiliza, habitualmente, 6 créditos. Assim, pode ingressar no Mestrado em Ensino de História e de Geografia, que habilita para a docência, em simultâneo, de ambas as disciplinas, qualquer licenciado que possua apenas 2 anos de formação universitária em Geografia e em História (120 créditos), podendo ter numa das áreas uma formação inferior a um ano (50 créditos). Na melhor das situações, os diplomados que ingressem neste Mestrado com os cursos de licenciatura entretanto criados para o efeito, terão cerca de 2 anos de formação numa das áreas (major) e um ano de formação na segunda área disciplinar (minor). Esta formação científica específica será complementada no próprio Mestrado com uma ou, no máximo, duas unidades curriculares semestrais (Formação na Área da Docência).
Não está em causa o esforço e empenho dos alunos e professores que, nas universidades, presentemente participam no modelo de formação inicial imposto em 2007 (alguns dos quais promovem esta Petição Pública). Mas será possível ser-se bom professor de Geografia ou bom professor de História, ficar-se habilitado a lecionar qualquer uma das duas disciplinas, do 7º ao 12º ano, com uma formação académica disciplinar de apenas 1 ou 2 anos? Seguramente que não!
Não se pode ensinar bem em áreas de que se tem uma formação escassa. O presente modelo de formação inicial é atentatório da dignidade das disciplinas de Geografia e de História e do próprio ensino, mais em geral. Em Portugal, a desvalorização dos professores e da própria educação está, invariavelmente, associada a uma “simplificação” da formação inicial. Infelizmente, no Decreto-Lei nº 43/2007 não é apresentada qualquer justificação para a unificação da formação inicial dos docentes de Geografia e História, nem se conhecem quaisquer explicações públicas dos responsáveis por esta decisão. Sublinhe-se, ainda, o desfasamento entre este modelo de formação e o funcionamento do sistema escolar: os grupos de recrutamento de docentes são autónomos e lecionam disciplinas diferentes.
Na Petição/Manifesto “História, democracia e desenvolvimento”, da iniciativa da Direção da Associação dos Professores de História e de outras entidades, entregue na Assembleia da República em 14 de março de 2011, e no Parecer “Alterações Curriculares – 3º Ciclo”, da Associação de Professores de Geografia, datado de 10 de julho de 2010, as duas Associações manifestaram a sua preocupação com o atual modelo de formação inicial dos professores de História e de Geografia, fazendo referências explícitas ao Decreto-Lei nº 43/2007.
Com a presente Petição, os professores de Geografia e de História pretendem retomar a autonomia da formação inicial, indispensável para garantir a qualidade da formação inicial dos grupos de docência a que pertencem. Naturalmente, deverão ser salvaguardados os direitos dos docentes recém-habilitados ou que se venham a profissionalizar com o Mestrado em Ensino de História e de Geografia e que poderão optar por lecionar uma ou outra área disciplinar.
Os professores portugueses de Geografia e de História, diplomados numa destas áreas e docentes em qualquer grau de ensino, unem-se nesta Petição Pública Nacional, que testemunha tanto a sua oposição a medidas avulsas e atentatórias da qualidade da formação e dignidade profissionais como o seu empenho na construção de uma educação de qualidade.
Confiamos na melhor atenção e no devido acolhimento do Sr. Presidente da Assembleia da República e dos senhores deputados a esta Petição Pública Nacional.

Sérgio Claudino, IGOT, Universidade de Lisboa (Geografia);
Maria Leonor Carvalho, AE de Frei Estevão Martins/Alcobaça (História);
António Fernando Silva, AE da Quinta do Conde (Geografia);
Miguel Barros, Escola Secundária c/ 2ª e 3º ciclos de Passos Manuel/Lisboa (História);
Emília Sande Lemos, presidente da Associação de Professores de Geografia
Raquel Pereira Henriques, presidente da Associação de Professores de História
Margarida Pereira, presidente da Associação Portuguesa de Geógrafos

SOLIDARIEDADE DO BRASIL PARA COM A PETIÇÃO!

CAROS COLEGAS,

A petição apresentada por Sergio Claudino merece atenção especial. Considero importante inserir no GEOFORO.

Aqui no Brasil, muitos gestores da Educação Pública atual copiam modelos de políticas públicas de ensino e programas curriculares de países como Portugal e de Espanha. Temos que veicular os impasses de modo amplo. Talvez essa seja uma possibilidade para frear a presente onda de desvalorização de nossas áreas de estudo.

Abraço,
Andrea
_____________________________________________________________
Profa. Dra. Andrea Coelho Lastória
Departamento de Educação, Informação e Comunicação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto

Universidade de São Paulo - USP
Avenida Bandeirantes, 3900, bairro Monte Alegre, Ribeirão Preto - SP, Brasil, cep: 14040-901
Fones: (16) 36024548, (16) 36023634, (16) 36023722

Sessão na Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira

A sessão de divulgação e de debate sobre a Petição, na Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira, constituiu uma ocasião de evolução do processo que nos conduziu até ao momento actual, em termos de formação inicial de professores de História e de Geografia. O debate alargou-se a outros domínios. Mereceu consenso a necessidade de contestar a actual legislação sobre a formação inicial.
A sessão, onde participei, bem como a Dra. Raquel Henriques, decorreu num ambiente de debate vivo mas sereno.
Sérgio Claudino

Sessão de divulgação e debate na Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira/Seixal

A PETIÇÃO EM MARCHA…

Recebemos a ficha de assinaturas da seguinte Escola:

Escola Secundária Alfredo dos Reis Silveira/Torre da Marinha (14)

O nosso Obrigado!